Governo do Distrito Federal
Maria da Penha ONLINE Governo do Distrito Federal
2/02/23 às 15h19 - Atualizado em 22/05/24 às 21h05

Forças de segurança do DF ganham reforço de 22 bombeiros militares

As forças de segurança do Distrito Federal ganharam, na manhã desta quinta-feira (2), o reforço de 22 bombeiros. Os militares foram efetivados oficiais da corporação em solenidade na Academia de Bombeiro Militar Cel. Osmar Alves Pinheiro, no Setor Policial Sul.

 

Eles vão compor os quadros de saúde e complementar do Corpo de Bombeiros Militar do DF (CBMDF) dando apoio à área-meio da corporação. Há novos oficiais em nove áreas: medicina (9), farmácia (2), odontologia (2), engenharia elétrica (2), enfermagem (2), fisioterapia (2), arquivologia (1), psicologia (1) e nutrição (1).

 

A turma de novos oficiais do Corpo de Bombeiros Militar do DF se destacou pela forte presença feminina; do total de 22 formandos, 14 são mulheres | Fotos: Lúcio Bernardo Jr/Agência Brasília

 

“Precisamos desse reforço, porque são atividades-meio que dão apoio não só ao Corpo de Bombeiros e os militares propriamente dito, mas aos seus dependentes. São equipes que dão suporte à atividade-fim”, explicou a comandante-geral do Corpo de Bombeiros, Mônica de Mesquita Miranda.

 

Os aspirantes integraram a 44ª turma do curso de Formação de Oficiais e a 14ª turma do curso de Habilitação de Oficiais do quadro Complementar e Saúde do CBMDF. Os cursos de formação tiveram início em junho de 2022.

 

“É a emoção de ter dado certo e de agradecer a todos aqueles que acreditaram em incluir as mulheres na corporação”, disse a comandante-geral do CBMDF, Mônica de Mesquita Miranda (à direita)

 

Com duração média de sete meses e meio, a formação prepara os profissionais para os desafios do novo ambiente de trabalho e os insere nas tradições e valores do Corpo de Bombeiros. “Eles vão atuar em suas diversas áreas de formação específica, mas no curso aprendem a ser bombeiros militares, com aulas de salvamento, combate a incêndio, emergência médica”, afirmou o comandante da Academia de Bombeiro Militar, tenente-coronel Clayson Augusto Fernandes.

 

“É muito importante para a comunidade do DF e do Brasil, porque são mais profissionais bem-treinados e qualificados para atender bem a sociedade”, avaliou o tenente-coronel sobre a importância da conclusão de mais uma turma.

 

Representando o secretário de Segurança Pública, Sandro Avelar, o delegado da Polícia Civil, Celso Wagner, parabenizou os formandos, os familiares, os professores e a corporação pelos novos oficiais, que, segundo ele, “vão se unir às forças na busca de uma sociedade mais segura e pacífica”.

 

Presença feminina

 

A turma se destacou pela forte presença feminina, com a formação de 14 mulheres e oito homens. A importante marca ocorre no mesmo momento em que o Corpo de Bombeiros do DF tem a primeira comandante-geral mulher da história, que também é a primeira do Brasil.

 

A aspirante Poliana Sousa foi agraciada com honrarias por ter sido a aluna destaque

 

“É a emoção de ter dado certo e de agradecer a todos aqueles que acreditaram em incluir as mulheres na corporação. São 14 formandas, e é uma alegria muito grande saber que nossa corporação, a partir de uma iniciativa tão pequena há 30 anos – quando entraram 40 cadetes, sendo três femininas -, hoje tem em torno de 1,2 mil mulheres”, disse a comandante-geral Mônica de Mesquita Miranda.

 

Demonstrando a importância da integração feminina nos quadros da corporação, a Turma Marechal Rondon agraciou a aspirante Poliana Sousa com honrarias por ter sido a aluna destaque. Psicóloga de formação, a “01 do curso” era praça dos bombeiros antes de se tornar oficial. “É uma alegria imensa conseguir chegar ao final e com tanto êxito. É uma luta dia após dia”, comentou.

 

Para Poliana, a sua entrada e dos demais oficiais no quadro vai auxiliar no trabalho de prevenção de saúde. “A gente trabalha muito no tratamento, mas o meu trabalho é mais voltado para prevenção. Já conhecia um pouco da corporação e acho que posso colaborar nisso, em melhorar prevenindo o adoecimento”, refletiu.

 

Fonte: Agência Brasília